Acabar com a banca neo-liberal PDF Imprimir e-mail
21-Abr-2009
Cofres de depósito segurosQualquer que seja a evolução da banca, há uma componente de serviço público que tem de ser incorporada nas regras por que se rege. Ou seja, terá de haver formas de regular e fiscalizar a actividade da banca que sejam claras e eficazes, e os seus resultados terão de ser publicitados.

Contributo de José Pedro Fernandes


Independentemente da possibilidade de nacionalização da banca, há vários pontos de que queria falar:

1 - A separação das sociedades de investimento da banca comercial parece-me urgente e inevitável. Se uma ou outra directiva comunitária fabricada pela escumalha neo-liberal que se apoderou dos destinos da CEE o impedir, bastará que o regime fiscal para as entidades que mantiverem ambas as actividades seja tão penalizador que os bancos sejam levados a optar pela separação. E a política fiscal ainda tem uma componente nacional significativa.

2 - A política de benefícios fiscais à banca é um contrassenso, e não tem razão de existir, nem a nível nacional nem a nível da CEE. E muito menos têm razão de existir as off-shore.

3 - O crédito à habitação foi um recurso normal das famílias, durante décadas. Não é decente fazer tábua rasa do passado e vir agora tomar posse das casas, quando as pessoas atravessam dificuldades. E é estúpido da parte da banca. Em vez de aceitar renegociar os contratos com margens apenas simbólicas, na perspectiva de vir a recuperar o dinheiro emprestado, a banca vê-se perante um prejuízo certo, ao apropriar-se das casas para as leiloar.

4 - Qualquer que seja a evolução da banca, há uma componente de serviço público que tem de ser incorporada nas regras por que se rege. Ou seja, terá de haver formas de regular e fiscalizar a actividade da banca que sejam claras e eficazes, e os seus resultados terão de ser publicitados.

5 - Em termos de cultura popular, era importante que a esquerda procurasse explicar, com toda a clareza, ao maior número possível de pessoas, os mecanismos nebulosos que "criam" valor a partir de nada nos circuitos financeiros, e que tipo de gente pode operar nesses esquemas.

José Pedro Fernandes

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
As últimas da Blocoesfera
© 2020 Políticas de Igualdade - Bloco de Esquerda